Disse Deus: Fazei isso em memória de mim – Rafael Ramos

“Chegou, porém, o dia dos ázimos, em que importava sacrificar a páscoa.” – Lucas 22:7

Diferente daqueles que acreditam que esta é a “santa ceia” tradicional da religião católica e suas ramificações, na verdade, este é o dia em que se comemora uma solenidade do Senhor, a Páscoa.

Quando Jesus nos diz para fazer isso em memória dele, é que devemos comemorar a Páscoa em sua memória, e não a chamada “santa ceia” ensinada pelas “religiões ocidentais”.

A comemoração da Páscoa tem uma data específica para acontecer, foi determinada por Deus e não pelo homem. Acontece no décimo quarto dia de Nissan.

“E, indo eles, acharam como lhes havia sido dito; e prepararam a páscoa.” – Lucas 22:13

Cristo neste dia incumbiu seus apóstolos de prepararem a Páscoa, e ela provavelmente foi preparada da forma que a Torah ensina, vamos fazer uma breve consulta:

Êxodo capítulo 12, versículo 1 ao 11.

“E falou o SENHOR a Moisés e a Arão na terra do Egito, dizendo: Este mesmo mês vos será o princípio dos meses; este vos será o primeiro dos meses do ano. Falai a toda a congregação de Israel, dizendo: Aos dez deste mês tome cada um para si um cordeiro, segundo as casas dos pais, um cordeiro para cada família. Mas se a família for pequena para um cordeiro, então tome um só com seu vizinho perto de sua casa, conforme o número das almas; cada um conforme ao seu comer, fareis a conta conforme ao cordeiro. O cordeiro, ou cabrito, será sem mácula, um macho de um ano, o qual tomareis das ovelhas ou das cabras. E o guardareis até ao décimo quarto dia deste mês, e todo o ajuntamento da congregação de Israel o sacrificará à tarde. E tomarão do sangue, e pô-lo-ão em ambas as ombreiras, e na verga da porta, nas casas em que o comerem. E naquela noite comerão a carne assada no fogo, com pães ázimos; com ervas amargosas a comerão. Não comereis dele cru, nem cozido em água, senão assado no fogo, a sua cabeça com os seus pés e com a sua fressura. E nada dele deixareis até amanhã; mas o que dele ficar até amanhã, queimareis no fogo. Assim pois o comereis: Os vossos lombos cingidos, os vossos sapatos nos pés, e o vosso cajado na mão; e o comereis apressadamente; esta é a páscoa do SENHOR.”

No décimo dia de Nissan o cordeiro era separado até o décimo quarto dia de Nissan, na tarde do dia décimo quarto a congregação se reunia e sacrificava o cordeiro, pegava o sangue e passava nas ombreiras e na verga da porta das casas daqueles que comiam a Páscoa; A ceia consistia na carne que era assada ao fogo, pães sem fermento e ervas amargosas. Não se podia comer a carne crua, nem cozida em água, mas assada no fogo. Nada dela poderia ser deixado para o outro dia, o que ficasse deveria ser queimado ao fogo. As pessoas deveriam comer a Páscoa cingidas com suas vestes, com sapatos nos pés, e cajado na mão.

É certo afirmar que Jesus e seus discípulos comemoraram a Páscoa desta maneira. Claro é que o Evangelho não se preocupa em detalhar isso, visto que seria desnecessário, pois como já sabemos, Cristo cumpriu tudo conforme a Torah.

E durante a ceia de Páscoa podemos notar Jesus ensinando aos apóstolos o que iria lhe ocorrer, que ele seria o Cordeiro a ser sacrificado, e este passaria a ser o nosso único sacrifício a partir de então.

Infelizmente “as religiões” distorceram novamente a Palavra de Deus e o Evangelho de Jesus Cristo, mais uma vez negando os mandamentos de Deus em prol de suas tradições.

Observe que estamos em Fevereiro de 2013 e chegando às primeiras solenidades do Senhor no ano, e a primeira é a Pêssach (Páscoa).

“No mês primeiro, aos catorze do mês, pela tarde, é a páscoa do SENHOR.” – Levítico 23:5

A Torah diz que no primeiro mês, ou seja, em Nissan, no dia catorze, pela tarde, é a Páscoa do Senhor. Em 2013 o dia 14 de Nissan no calendário gregoriano começa no por do sol do dia 24 de Março e termina no por do sol do dia 25 de Março.

A Páscoa de Cristo e os 12 apóstolos:

“Chegou, porém, o dia dos ázimos, em que importava sacrificar a páscoa. E mandou a Pedro e a João, dizendo: Ide, preparai-nos a páscoa, para que a comamos. E eles lhe perguntaram: Onde queres que a preparemos? E ele lhes disse: Eis que, quando entrardes na cidade, encontrareis um homem, levando um cântaro de água; segui-o até à casa em que ele entrar. E direis ao pai de família da casa: O Mestre te diz: Onde está o aposento em que hei de comer a páscoa com os meus discípulos? Então ele vos mostrará um grande cenáculo mobilado; aí fazei preparativos. E, indo eles, acharam como lhes havia sido dito; e prepararam a páscoa. E, chegada a hora, pôs-se à mesa, e com ele os doze apóstolos. E disse-lhes: Desejei muito comer convosco esta páscoa, antes que padeça; Porque vos digo que não a comerei mais até que ela se cumpra no reino de Deus. E, tomando o cálice, e havendo dado graças, disse: Tomai-o, e reparti-o entre vós; Porque vos digo que já não beberei do fruto da vide, até que venha o reino de Deus. E, tomando o pão, e havendo dado graças, partiu-o, e deu-lho, dizendo: Isto é o meu corpo, que por vós é dado; fazei isto em memória de mim. Semelhantemente, tomou o cálice, depois da ceia, dizendo: Este cálice é o novo testamento no meu sangue, que é derramado por vós.” – Lucas 22:7-20

Em seguida temos mais duas solenidades, a solenidade dos Pães Ázimos e das Primícias.

No por do sol do dia 25 começa a solenidade dos Pães Ázimos, neste dia é sábado do Senhor, a congregação deve se reunir e nenhum trabalho comum deve ser feito. Durante sete dias se comerá pães ázimos, e no sétimo dia também é sábado do Senhor, a congregação deve se reunir e nenhum trabalho comum deve ser feito. Após este sábado do Senhor é a solenidade das Primícias. Nestas solenidades se fala de ofertas queimadas e dos holocaustos, tanto um como outro não fazem mais parte da nossa celebração, pois Jesus é o sacrifício.

Jesus e seu sacrifício contemplam estas três solenidades, pois ele é o nosso libertador (salvador), é o pão sem fermento (doutrina pura, sem a intervenção de homens), e é o Cordeiro que tira o pecado do mundo (a primícia santa, justificador e santificador); aqui comemoramos também a sua ressurreição.

Para nós cristãos, Jesus é a nossa Páscoa, mas sabemos exatamente o motivo?

“Porque a vida da carne está no sangue; pelo que vo-lo tenho dado sobre o altar, para fazer expiação pelas vossas almas; porquanto é o sangue que fará expiação pela alma.” – Levítico 17:11

É simples, nas solenidades existe a necessidade do sangue derramado, é o sangue derramado que valida o testamento, e é o sangue que faz a expiação pelo pecado. Comemorar a Páscoa hoje, com o sangue de animais, seria não crer em Cristo, pois é ele o Cordeiro que tira o pecado do mundo. Por isso em Pêssach não temos mais sacrifício como era feito antigamente, porém nós temos o sacrifício de Cristo, e é por isso que ele é a nossa Páscoa.

Estas festas, ou solenidades citadas, estão descritas em Levítico no capítulo 23, inicia-se no versículo 4 e se estende até o versículo 14.

Veja a seguir, que após Cristo ter morrido, ressuscitado, aparecido para muitos por cerca de quarenta dias, e também a Paulo; nós encontramos Paulo e os demais discípulos de Jesus guardando a Páscoa segundo a tradição bíblica:

“E, depois dos dias dos pães ázimos, navegamos de Filipos, e em cinco dias fomos ter com eles a Trôade, onde estivemos sete dias. E no primeiro dia da semana, ajuntando-se os discípulos para partir o pão, Paulo, que havia de partir no dia seguinte, falava com eles; e prolongou a prática até à meia-noite. E havia muitas luzes no cenáculo onde estavam juntos.” – Atos 20:6-8

Agora você se pergunta, as solenidades eram somente para os judeus?

Óbvio que não, são solenidades do Senhor, não dos judeus:

“Depois falou o SENHOR a Moisés, dizendo: Fala aos filhos de Israel, e dize-lhes: As solenidades do SENHOR…” – Levítico 23:1-2

Sabemos que estas solenidades são por estatuto perpétuo, tanto que os apóstolos as guardavam, e Cristo afirmou que ele só comeria a Páscoa novamente em sua segunda vinda, mas que nós deveríamos continuar fazendo isso em sua memória.

Até breve, se Deus quiser.

Série: O Evangelho Dourado

“E, respondendo-lhe outra vez, disse: Que são aqueles dois ramos de oliveira, que estão junto aos dois tubos de ouro, e que vertem de si azeite dourado?” – Zacarias 4:12

A Paz seja convosco em Cristo Jesus.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *


*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>